Oriente Médio: Um genocídio chamado de guerra

Sinceramente, não consigo aceitar que o que acontece nos territórios palestinos seja uma guerra, com “ataques e exageros dos dois lados”.

Será que foram mesmo 12 mil foguetes com grande poder de destruição lançados a partir da Faixa de Gaza nos últimos tempos, como se costuma afirmar por aí – e quase nenhum deles caiu de fato em território israelense?

Compartilhar – por Chico Bicudo * – Correio da Cidadania – Médio Oriente – Sexta, 23 de Novembro de 2012

Não se trata então de poder elevado de defesa, mas de Estado quase imbatível, invulnerável, absolutamente bem protegido. Por que os foguetes palestinos são tão desorientados e as bombas israelenses tão certeiras, “cirúrgicas”?

Reforço esse aspecto porque, me parece, trata-se de um discurso muito semelhante ao que se via e ouvia na época da ditadura brasileira: era uma “guerra”, o “terrorista” morria em conflito com as “forças da ordem”, por coincidência sempre com vários e precisos tiros na cabeça, no peito…

Enquanto isso, o assassino estatal saía ileso, sem um arranhão ou ferimento sequer. Vivíamos os tempos do “enfrentamento total com os subversivos, fortemente armados, muito bem treinados, perigosos”, mas o “tiro preciso e fatal” era “competência” de um lado só – o da repressão.

Apenas para retomar o foco e citar a “batalha” mais recente no Oriente Médio – em oito dias, foram registradas (oficialmente, reconhecidas até mesmo por Israel) 153 mortes, 148 palestinos e 5 israelenses.

É uma guerra? Para pensar.

É importante também contextualizar e relembrar a origem do conflito palestino-israelense – a Partilha da Palestina, definida em 1947 pela ONU e que determina a existência de dois Estados livres, independentes e soberanos, jamais foi respeitada por Israel, que desde então age apenas e tão somente, e sistematicamente, institucionalmente, para eliminar os palestinos.

Será que a gente consegue de fato avaliar o que é viver num território ocupado, submetido a condições animalescas de vida? Fome, miséria, falta de água e de medicamentos, barracas de lona e toda sorte de privações impostas pelo bloqueio israelense?

O nazismo alemão e o apartheid sul-africano, no século XX, foram duas das experiências mais terríveis da História da humanidade, quando flertamos muito de perto com a bestialidade e a barbárie.

Pois o Estado de Israel, com apoio de boa parte da população do país (há admiráveis fraturas e resistências, mas a sustentação é também inegável), consegue reunir num só elemento os dois projetos citados. Trata-se de um Estado militarista, expansionista, autoritário, nacionalista (no pior sentido da palavra), que persegue e extermina sistematicamente o povo palestino, segregado e condenado a viver em guetos.

E a dita comunidade internacional, Estados Unidos à frente, é conivente com o nazi-apartheid israelense.

Quando há um Estado terrorista e opressor em ação (e a política da direita nacionalista no poder em Israel é de nazi-apartheid), a resistência (inclusive armada) é conseqüência não só natural, mas desejável, uma forma de ação e luta política considerada inclusive pela carta de fundação da ONU.

Foi assim que muitos judeus, dignamente e legitimamente, resistiram ao Holocausto nazista. Sim, há grupos extremistas que atuam nessas franjas e brechas (o Hamas é um deles), e as mortes de israelenses obviamente devem ser lamentadas e recusadas também.

Sim, há grupos (minoritários) em Israel que não apoiam o genocídio, que reconhecem os direitos dos palestinos e são favoráveis a um acordo (verdadeiro) de paz.

Também penso e defendo que os dois povos devem poder construir suas nações, em amplo sentido – e a estratégia razoável para alcançar esse cenário é a negociação política. Mas, novamente, é preciso considerar o pecado original. E a atuação unilateral e beligerante, sempre, de um Estado.

Trago para cá as reflexões do lingüista estadunidense Noam Chomsky: “Israel usa sofisticados jatos e navios de guerra para bombardear densamente campos de refugiados, escolas lotadas, blocos de apartamentos, mesquitas e favelas, atacando uma população que não tem força aérea, não tem Marinha, não tem armas pesadas, nem unidades de artilharia, nem armamento mecanizado, nem comando de controle e sequer um Exército… E ainda chamam isso de guerra. Isso não é guerra, é um genocídio”.

*Chico Bicudo é jornalista e professor de Comunicação Social.

Blog:

http://oblogdochico.blogspot.com.br/2012/11/um-genocidio-chamado-de-guerra.html

Chico Bicudo

Correio da Cidadania

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s